Exames que devem fazer parte da rotina feminina

Ontem comemoramos o dia Internacional da Mulher, que de “sexo frágil” tem se transformado em símbolo de força e sucesso. As mulheres, além de se preocuparem com seus afazeres diários, não podem descuidar da saúde. Então, para facilitar a vida dessas mulheres batalhadoras, criamos uma lista com os exames de rotina que não devem deixar de serem feitos, pelo menos, anualmente.

Na correria do dia-a-dia é normal que algo seja deixado de lado, porém, visitar o seu médico regularmente é um hábito importante para a manutenção da saúde. A partir da 1ª menstruação, as visitas ao ginecologista devem ser iniciadas, pois com o início da puberdade, o sistema reprodutor feminino pode sofrer algumas complicações e alterações.

Esse especialista vai cuidar da sua saúde durante todas as fases da sua vida!

Preventivo ou Papanicolau

Com uma visita ao ginecologista, esse exame pode ser realizado rapidamente. São 5 minutos que podem te ajudar a prevenir câncer no colo do útero e a tratar doenças sexualmente transmissíveis de forma prática. Esse teste identifica as primeiras alterações no útero, tornando o tratamento mais rápido e eficaz. Pode parecer besteira, mas a falta desse exame é uma das maiores causas de morte de mulheres no Brasil. Por isso, comece a visitar o seu médico anualmente após a 1º relação sexual.

Mamografia e ultrassom de mama

Esse exame detecta anormalidades no tecido da mama. Por isso, é importante que seja feito todo ano a partir dos 40 anos de idade. Se você tem histórico de câncer de mama na família, deve começar a fazer a partir dos 35 anos. Para as mulheres mais novas, entre 16 e 39 anos, é indicado a ultrassom de mama e o autoexame, que já são suficientes para identificar possíveis alterações.

Ultrassonografia pélvica transvaginal

Esse exame não é pedido rotineiramente. Você deve realiza-los na sua primeira visita a um novo médico ou quando houver qualquer alteração no exame físico, nas funções menstruais ou hormonais ou em casos de dificuldade de engravidar. A intenção dele é avaliar os órgãos do sistema reprodutivo feminino, ele detecta problemas no ovário, no endométrio e na parede uterina.

Exames de sangue e dosagem hormonais

As amostragens indicam se os componentes e nutrientes do sangue estão normais. Os exames TSH, T3 e T4 livre identificam alterações nos hormônios da tireoide. Outros, como testes de glicemia, colesterol total e frações, triglicerídeos, creatina, TGO e TGP, hemograma completo e exame de urina devem ser realizados de acordo com o caso de cada paciente.

Pós-menopausa

Para mulheres a partir dos 40 ou que atingiram a menopausa, outras checagens são necessárias. Como exames de função do fígado, rim, bem como colesterol e avaliações com cardiologista, já que alterações hormonais podem aumentar o risco de problemas cardiovasculares.

Densitometria óssea

Esse exame serve para determinar a densidade dos ossos do corpo humano. Deve ser feito por mulheres a partir da menopausa, e serem repetidos de acordo com o resultado do primeiro exame e aconselhamento do seu médico. Geralmente acontecem a cada 2  anos caso o primeiro exame não apresente nenhuma alteração.

 

Além desses exames, também é importante para as mulheres se informarem a partir da primeira visita ao ginecologista sobre vacinação contra a infecção por HPV, responsável pela transmissão do condiloma e da maioria dos cânceres de colo do útero, e para Hepatite B.

Sempre consulte seu médico sobre quais exames e tratamentos devem ser iniciados.